Resenha: O Retrato de Dorian Gray (Oscar Wilde)

capa. lega

Para o mês de maio no desafio dos 12 livros para 2017 escolhi o livro O retrato de Dorian Gray. Não conhecia nada sobre ele, mas sabia que era um livro que muitas pessoas admiravam. Oscar Fingal O’Flahertie Wills Wilde (1854 – 1900) nasceu em Dublin, Irlanda, no dia 16 de outubro de 1854. Filho de um médico e de uma professora, Wilde foi criado no protestantismo e em seguida convertido ao catolicismo. Ingressou com uma bolsa de estudos em Oxford passando a morar em Londres onde teve uma vida bem movimentada, com bebidas, poemas e textos para o teatro.

Seu principal romance O retrato de Dorian Gray foi publicado pela primeira vez em uma revista da época intitulada “Lippincott’s Monthly Magazine” em 1890. Logo depois o autor começou a rever e aumentar este o romance para sua publicação em formato de livro, tendo sua primeira tiragem em 1891 pela Ward, Lock, and Company.

Em meio à sociedade Londrina, o pintor Basil conhece o jovem e belo Dorian Gray. A beleza de Dorian Gray é para ele uma perfeição sem tamanho que precisa ser imortalizada e diante desse encantamento por tal beleza, resolve pintá-lo. As cenas descritas revelam o amor que Basil sente pelo jovem e este sentimento é tanto que ele teme ter deixado isso estampado em sua pintura, revelando sua própria alma, e dessa forma presenteia Dorian com o quadro. Lorde Henry, confidente e amigo de Basil, nota tal admiração que ele tem por Gray e quer ser apresentado ao jovem que despertou semelhante inspiração nele e não descansará até conhecê-lo. Basil por outro lado não vê nesse encontro de apresentação algo bom e teme que Lorde Henry possa influenciar o puro e inocente Dorian, tão admirado sua alma nobre.

Não tendo como impedir tal encontro, Lorde Henry conhece Dorian e o que Basil receava acontece. Lorde Henry reconhecendo que realmente Dorian era um rapaz de beleza inigualável começa a incentiva-lo a refletir sobre sua imagem, o poder que um belo rosto traz, e que tudo isso um dia sofrerá mudanças, envelhecerá e perderá seu encanto. Dorian tocado por essas palavras chega à conclusão que daria até mesmo sua alma para permanecer exatamente neste momento de beleza ao qual fora retratado por Basil, sempre jovem e belo.

retrato dele

A vida de Dorian não seria mais a mesma depois de ter conhecido o pérfido Lorde Henry. Agora cercado de inquietações e futuramente pecados, o jovem Dorian terá dois algozes, sua consciência martelando sobre seus atos e consequências e a imagem de Lorde Henry sempre ao seu lado, quase como um mantra ao seu ouvido perguntando como alguém tão belo pode se culpar por atos alheios? Como se deixar abater por fatos do passado?

Dorian Gray suspenso por sua vaidade vive dentro de angustias sobre si mesmo. Questionado e hostilizado pelo próprio retrato, os pecados que cometera os seguia e o assombrava. A crítica à sociedade Inglesa, aos costumes da época e suas hipocrisias, são destacadas dentro da obra.

oscar-wilde

Espero que tenham gostado e não se preocupem, não teve tantos spoilers assim… e não, não foi revelado o final. Até mais galera!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s