Resenha: As Meninas (Lygia Fagundes Telles)

eee

Opa galera, estão prontos para mais uma resenha? Mais uma obra que escolhi para os 12 livros para 2017. Segue abaixo o desenrolar…

No Brasil, estabelecido em 31 de março de 1964, militares contrários ao governo de João Goulart (PTB) destituíram o então presidente e assumiram o poder por meio de um golpe. Implantando com isso o regime ditatorial organizado pelas Forças Armadas. Isso incluía repressão, violência, restrições de direitos de voto, liberdade e movimentos de oposição.

E é dentro deste ambiente de reclusão que o Brasil vivia e é que Lygia Fagundes Telles ambienta sua obra As Meninas, cercadas não apenas por um regime como a ditadura, mas dentro de um pensionato de freiras em São Paulo. Isso tudo junto e misturado em três histórias que se entrelaçam vividas pelas personagens Ana Clara, Lia e Lorena.

Temos então três pessoas, três vidas, três universitárias que sonham e almejam coisas diferentes e são observadas a partir de uma narrativa em primeira pessoa, deslocando-se de acordo com a necessidade de descrição das cenas e que interage uma após a outra ou entre si. O fato é que para um leitor desatento a interatividade de diálogos e percepções do qual personagem está articulando e divagando em várias cenas inicialmente torna a identificação delas um pouco confusa.

 Ana Clara, conhecida pelas amigas como “Ana turva” pelo seu temperamento agressivo, é linda, têm um noivo rico e se diverte com um amante. É também viciada em drogas e sua mãe é uma ex-prostituta. Lia é filha de baiana com um alemão, foi para São Paulo estudar Ciências Sociais e também fugir da super proteção da mãe e do passado obscuro de seu pai. Lorena é filha de burguesa, é muito culta, muito sonhadora e virgem. Leva uma história pesada sobre a morte de seu irmão que levou seu pai ao sanatório e sua mãe a futilidade. É apaixonada por um homem casado, “M.N”, e vive a vida a esperar por sua ligação.

lygia

Diante de todas as angustias vividas por elas, o desenrolar dos fatos em sua maioria se passa no quarto de Lorena, local que serve como apoio para as reflexões das três amigas. Lygia Fagundes relata não só os lamentos de três personagens, mas o lamento de um país que estava sentindo a mesma angustia e que tinha um desejo velado, libertar-se. Nas entrelinhas podemos ver tudo isso.

Espero que tenham gostado. Até o próximo post galera!

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s