Resenha: O Tempo e o Vento; O Retrato Vol. 2 (Erico Verissimo)

capa boa

Após grandes transtornos e decepções com o seu jornal A Farpa, Rodrigo decide não mais escrevê-lo, é convidado a entrar numa campanha eleitoral e vê com isso sua possibilidade de crescimento mediante aos olhos do povo e de sua família. Superando todas as expectativas Rodrigo Terra Cambará constrói a sua imagem de político do povo, sendo extremamente generoso e enfrentando as contradições de seus afetos privados e reafirmando sua inteireza ética e sua coragem.

Em 1910 Dom Pepe pinta o Retrato de Rodrigo Terra Cambará. O quadro fica sendo a obra prima do pintor e o Sobrado é alvo de constantes visitas para observação de tal obra. O ano de 1915 é marcado por diversos acontecimentos. No Rio de Janeiro, Pinheiro Machado articula a campanha para a candidatura de Hermes da Fonseca para o Senado do Rio Grande. Em julho do mesmo ano, Borges de Medeiros passa o governo do estado a Salvador Pinheiro Machado, irmão do senador e veterano militar republicano. Temos também o grande comício de Hermes da Fonseca em Porto Alegre, contra a candidatura de Hermes. Nesta campanha, Hermes sai vencedor, porém não assume, e vai para a Europa. Em Santa Catarina eclodia a Guerra do Contestado e tem seu declínio com a queda dos sertanejos. Já no finalzinho do ano, Pinheiro Machado é assassinado e o assassino justifica o atentado aos acontecimentos de 14 de Julho em Porto Alegre.

Em Santa Fé, foram outros acontecimentos, o que não quer dizer que não foram importantes. Achegada da Família Filarmônica naquele mesmo ano em 1915 traz um novo ar para os moradores. Originários da Áustria, a história desta família resume-se da seguinte maneira, eles foram contratados por um agente que havia fechado contrato com eles para tocar em algumas cidades, mas em um belo dia, este agente simplesmente desaparece e deixa a Família Filarmônica com uma mão na frente e a outra atrás.

Sabendo desta falta de ética do agente para com a família austríaca, Rodrigo Cambará praticamente adota a família, mas não porque ele é bonzinho e sim por ter interesse nesta jovem que tem predicativos um tanto atrativos. A jovem é Antonia Weber (ou Toni) e a família desta jovem a pedido de Rodrigo começa a frequentar o Sobrado. Ele cerca a jovem de todos os lados, ela reluta até não poder mais e em um determinado dia, Rodrigo invade o quarto dela e daí vocês imaginem o que aconteceu. Rsrsr.

Neste meio tempo, Rodrigo começa a se questionar se comportamento era correto afinal de contas ele já estava casado com Flora. (Lógico que não é correto seu moço!). Como se não bastasse todos os seus problemas familiar, político e os de seu consultório, Rodrigo é avisado por Toni que ela esta esperando um bebê. Rodrigo é o tipo de personagem mimado, que não contente em apenas desfrutar com sua amante ele fica com ciúmes quando descobre que Toni supostamente ficaria noiva com um rapaz da cidade. Ela toma uma medida drástica e comete suicídio pouco tempo depois.

Rodrigo é avisado sobre o acontecido e chegando a casa da jovem, encontra-a morta. Desesperado e em crise, Rodrigo a pedido do irmão, vai para o angico. Seu pai o recebe e ele revela o porquê de sua ida para lá. O ponto final do livro traz um Rodrigo transbordado de arrependimentos e de alucinações (peso na consciência), se castigando por ter ido tão longe a seu romance clandestino e se castigando com palavras. Tem um momento ao qual ele sai de seu quarto e fica ao relento como punição por ter sido tão egoísta.

Já no finalzinho do livro Floriano, o filho mais velho de Rodrigo nos é apresentado. O ano é 1945. Temos neste período um Floriano formado e ele está caminhando no cemitério traçando o perfil das pessoas de sua árvore genealógica. Ele observa vários pontos que teriam sido causador da desagregação de sua família no período em que ele esteve morando no Rio. Ele recapitula o período que esteve nos Estados Unidos, sobre a Segunda Guerra, a explosão da primeira bomba atômica em Hiroshima e também sobre seu irmão Eduardo, que a contragosto de Rodrigo, é líder comunista.

Espero que tenham gostado e vejo vocês nos próximos posts…

Próxima resenha: O Tempo e o Vento; O Arquipélago Vol. 1

Anúncios

2 pensamentos sobre “Resenha: O Tempo e o Vento; O Retrato Vol. 2 (Erico Verissimo)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s